Os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo bloquearam esta manhã as entradas da sede do Novo Banco, na Avenida da Liberdade, impedindo os funcionários de ir trabalhar. Continuam a exigir que as autoridades competentes lhes restituam o dinheiro investido nos balcões do antigo Banco Espírito Santo. 

A confusão instalou-se quando uma funcionária, com a ajuda da polícia, tentou entrar nas instalações. Os manifestantes conseguiram impedi-la, gritando: "traidora". Outro funcionário que tentou entrar nas instalações do banco foi agredido pelos manifestantes.

Os funcionários tiveram de esperar várias horas, do outro lado da rua, já que as portas do banco foram fechadas a cadeado pelos manifestantes.

O protesto levou a polícia a cortar a circulação do trânsito no cruzamento da rua Castilho com a rua Barata Salgueiro. As autoridades fizeram um cordão policial para tentar manter a ordem e o corpo de intervenção foi mesmo chamado a intervir.

É o segundo protesto este mês. A 5 de junho os manifestantes reuniram-se à porta da sede do Novo Banco e percorreram a pé as ruas de Lisboa até São Bento, a residência oficial de Pedro Passos Coelho, passando pela sede do PS, no Largo do Rato. 

Ainda não há solução para este caso. Recorde-se que o Banco de Portugal informou os interessados na compra do Novo Banco que não terão de reembolsar os clientes do BES que subscreveram papel comercial do GES.