Alguns bancos credores da Rioforte poderão avançar com processos judiciais para tentarem impedir a Portugal Telecom de reclamar os 897 milhões de euros que investiu em papel comercial da antiga holding do Grupo Espírito Santo, revela o Diário Económico.

A batalha jurídica poderá estar para breve: os bancos defendem que a PT era parte relacionada do GES. A PT rejeita, com base nas regras internacionais de contabilidade. Qualquer processo em sentido contrário não terá possibilidade de sucesso, adianta a empresa.

A Rioforte está insolvente e sob gestão judicial do tribunal do Luxemburgo. Se o tribunal considerar que a PT era parte relacionada do GES, a dívida do grupo à operadora passará a ser um crédito subordinado, que apenas será pago depois de todas as dívidas.

A operadora considera que o GES não era das suas partes relacionadas. Por esta razão, o GES não está entre as partes relacionadas que constam do seu relatório anual.