O Governo e o consórcio Gateway, de Humberto Pedrosa e David Neelman, chegaram a acordo e o Estado vai ficar com 50% da TAP.

A TVI sabe que para aumentar o capital para os 50% o Estado paga 1,9 milhões de euros, e passa a nomear o presidente do conselho de administração da TAP, membro que passa a ter voto de qualidade.

O acordo entre o governo e os empresários será anunciado já este sábado pela manhã, no ministério do Planeamento e Infraestruturas, com o ministro da tutela, Pedro Marques, o titular da pasta das Finanças, Mário Centeno, e António Costa.

Um acordo que acaba por não corresponder à vontade do primeiro-ministro António Costa, que já tinha dito que "a bem ou a mal", o estado iria ficar com 51% da transportadora.

Apesar dos 50% que agora ficam nas mãos do Estado, a gestão da TAP deverá continuar privada.

Resta saber de que forma é que o Estado vai concretizar este aumento de capital, quais as linhas em que se define este novo negócio e de que lado se vai consolidar a dívida da companhia aérea, se nas contas do Estado ou nas contas do grupo privado.