Depois de ontem o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da silva,ter confirmado a intenção do Governo de reduzir a fatura paga pelos consumidores do gás natural em 5% nos próximos três ou quatro anos através de um reequilíbrio do contrato de concessão com a Galp Energia, a empresa vem agora reagir.

Em comunicado enviado às redações, a Galp diz que teve conhecimento da matéria através da comunicação social, «não tendo até ao momento havido qualquer comunicação escrita dirigida ao Grupo Galp Energia que esclareça os termos e fundamentos da medida noticiada».

A empresa sublinha que, por isso, não se pode pronunciar sobre o anúncio do Governo, mas vai dizendo que a pretensão do Executivo não tem qualquer fundamento.

«Desde já se manifesta que os pressupostos divulgados aos meios de comunicação social para justificar a medida em causa não são corretos e que a Galp Energia entende não existirem fundamentos económicos ou jurídicos para a sua aplicação», conclui.