O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, garantiu esta terça-feira que Portugal não vai perder um cêntimo dos fundos do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) e que a taxa de compromisso dos mesmos é de 108%.

«Posso hoje dizer-vos que mantemos a posição dianteira [relativamente aos fundos europeus], com uma taxa de absorção, ou seja, execução, de 84,7%, de acordo com os últimos dados conhecidos», disse Poiares Maduro no parlamento, numa audição conjunta com a comissão de Economia e Obras Públicas; do Ambiente, Ordenamento do Território e da Ética, a Cidadania e a Comunicação, no âmbito da proposta do Orçamento do Estado para 2015.

«A taxa de compromisso dos fundos é, porém, já de 108% - estamos manifestamente em situação de overbooking [acima do disponível] -, o que os permite afirmar com segurança que não vamos perder um cêntimo do envelope financeiro que nos cabe no QREN», acrescentou.

Miguel Poiares Maduro disse que o país terminará 2015 «com o QREN completamente executado e já em plena velocidade de cruzeiro na realização do Portugal 2020, o que fará do próximo ano um ano em que crescerá o investimento com base nos fundos europeus».

«Mas como tenho repetido várias vezes, não podemos ficar satisfeitos apenas com as boas taxas de absorção dos fundos europeus. O que correu mal no passado em matéria de fundos europeus nunca foram os níveis de execução financeira, mas sim a forma como os recursos foram utilizados», salientou o ministro.