Os pagamentos nos postos de carregamento de viaturas elétricas afinal “só deverão ter execução em 2018”. O Ministério do Ambiente atualizou a informação de outubro, que dava conta de que a cobrança não aconteceria antes do final deste ano.

Os postos de carregamento rápidos possibilitam um carregamento de 80% da bateria em 20 a 30 minutos.

A informação de hoje segue-se à que tinha sido avançada em 13 de outubro pela tutela sobre um calendário, que inicialmente referia o final do primeiro semestre de 2017.

Como justificação, a MOBI.E referiu ter “conhecimento de que muitos utilizadores pretenderiam ter mais tempo para avaliar a adesão a um CEME (Operador detentor de registo de Comercialização de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica), sobretudo no período estival em que muitos portugueses estão de férias”.

Também os CEME “manifestaram a vantagem de dispor de mais tempo para melhorarem as condições de acesso e as opções tarifárias que pretendem oferecer”.

A MOBI.E tinha agendado para o final de julho o início do pagamento nos postos de carregamento rápidos (PCR) e nessa altura informou que as tarifas seriam reveladas a partir de dia 17 do mesmo mês. Mas houve, assim, um atraso na medida.

Governo já gastou 1,9 milhões de euros em incentivos

O incentivo à aquisição de veículos elétricos recebeu, no âmbito do Fundo Ambiental, 1.236 candidaturas. Até à data, já foram pagos pelo Governo 1,9 milhões de euros. A informação do Ministério do Ambiente que é citada pela Lusa especifica que foi, em concreto,  pago o montante de 1.914.750 euros”.

A "previsão de fecho das contas deverá ocorrer no final da próxima semana” e há uma lista de espera com cerca de 40 candidaturas, que só podem ser admitidas em caso de exclusão ou desistência.

No Orçamento de Estado para 2018 foi inscrito "o incentivo pela introdução de veículos de baixas emissões", que será financiado pelo Fundo Ambiental e, que se mantém no valor atual de 2.250 euros na compra de carro elétrico novo.

No âmbito das medidas tendentes à redução de emissões de gases com efeito estufa, é mantido o incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões, financiado pelo Fundo Ambiental”.

O relatório que acompanha o OE2018 precisa que "no setor privado, serão mantidos os incentivos à aquisição de veículos elétricos existentes em 2017".

Este ano, o Governo atribuiu um incentivo limitado às primeiras 1.000 unidades. Essa meta foi quase atingida nos primeiros oito meses do ano.

Veja também: