Devido ao aumento da esperança média de vida, as reformas antecipadas a atribuir em 2016 aos trabalhadores do privado e à função pública podem contar com um corte de 13,34%, noticia o Diário Económico.

A este corte soma-se ainda a penalização de 0,5% por cada mês de antecipação face à idade exigida, que é de 66 anos e dois meses em 2016. 

Já no corrente ano, o factor de sustentabilidade resulta num corte de 13,02%, ao qual também se soma o mesmo corte, 0,5% por cada mês de antecipação para quem ainda não tenha chegado à idade da reforma. 

Esta redução resulta do fator de sustentabilidade, cujo valor para o próximo ano já pode ser calculado, após o INE ter indicado o valor provisório da esperança média de vida aos 65 anos este ano. 

Recorde-se que, para o ano, o regime das reformas antecipadas volta a estar acessível para todos.