«Portugal precisa de crescer e precisa de crescer depressa»: é assim que Subir Lall, responsável pela equipa do Fundo Monetário Internacional, caracteriza os desafios futuros que se colocam ao país. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o responsável sublinha, no entanto, que há entraves, nomeadamente a competitividade externa e a questão da redução da dívida.

Relativamente ao desemprego, Subir Lall confessa: «Pendo que ainda ninguém percebeu muito bem como é que a taxa de desemprego está a baixar. Estamos muito satisfeitos com a evolução, mas precisamos de perceber o que está a acontecer para que possamos tirar ilações».

O responsável reitera que Portugal tem de continuar a fazer reformas, já que a economia «precisa de criar empregos mais bem pagos para os que cá estão, e aos que emigraram seria desejável trazê-los».

E acrescenta que o «espírito de reforma» em Portugal «abrandou um pouco», depois da saída do programa de ajustamento. No entanto, o responsável diz não estar preocupado, até porque as condições de financiamento estão melhores do que há seis meses, a economia cresceu e o desemprego baixou.