A União Europeia e o FMI chegaram a acordo para desbloquear uma nova tranche de 6,8 mil milhões de euros de ajuda à Grécia, que serão entregues de forma faseada para assegurar o cumprimento das medidas negociadas previamente.

Após a reunião dos ministros das Finanças, a zona euro comprometeu-se a entregar, no final de julho, 2,5 mil milhões provenientes do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), enquanto os bancos centrais europeus vão restituir a Atenas 2 mil milhões correspondentes a juros cobrados sobre a dívida grega (1,5 mil milhões em julho e 500 milhões em outubro).

O Fundo Monetário Internacional (FMI), outro credor da Grécia, deve pronunciar-se, no final de julho, sobre mais um empréstimo de 1,8 mil milhões de euros.

«Tenho todos os motivos para pensar que a verba será desbloqueada (...) no final de Julho», devendo ser entregue em agosto declarou a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, que esteve presente na reunião dos ministros da zona euro.

Os empréstimos vão depender dos esforços de Atenas em matéria de reformas, nomeadamente no que diz respeito à diminuição da sua administração pública, estando previsto o fim de 4 mil empregos públicos até ao fim do ano e a redistribuição de outros 25 mil funcionários públicos.

Outros 500 milhões de euros chegarão em Outubro, ficando condicionados ao cumprimento das medidas acordadas a nívek das privatizações, pagamentos em atraso e a reforma da administração pública, disse o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, numa conferência de imprensa.

Os ministros aproveitaram igualmente o seu último encontro antes da pausa estival para abordar a situação em Portugal com a nova ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.