O Governo vai alargar o número de famílias que estão isentas de pagamento de IRS. Para isso será aumentado o chamado "mínimo de existência", que actualmente garante a todos os contribuintes um rendimento líquido de 8.500 euros, noticia o Negócios.  Deste modo, o Governo garante que o alívio fiscal que está a ser planeado no orçamento do próximo ano também abrange famílias do primeiro escalão, que pagam de facto IRS. Ainda não está fechado o novo limite, mas fonte governamental disse ao Negócios que a intenção é beneficiar algumas centenas de milhares de famílias.  

Embora não se saiba exactamente quem poderá beneficiar do alargamento deste limite, o jornal diz que a medida deverá incidir sobretudo nos trabalhadores com salários brutos que rondem os 640 euros (9.000 euros anuais). 

Esta alteração vem juntar-se ao já noticiado desdobramento do segundo escalão e ao travão imposto daí para cima de forma a impedir que contribuintes com rendimentos mais altos beneficiem das mudanças planeadas para o IRS.