A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica instaurou 3.319 processos de contraordenação e 511 processos-crime a operadores económicos.

Os dados, relativos ao primeiro semestre do ano, revelam que a ASAE fiscalizou 19.241 operadores. O inspetor-geral Pedro Gaspar realçou o valor total das apreensões, que atingiu os 10,7 milhões de euros. E sublinhou que os resultados expressos «são muito significativos» em relação aos obtidos no período homólogo de 2013.

No campo da segurança alimentar foram obtidas algumas melhorias, sendo que a taxa de incumprimento «baixou ligeiramente» em 2014, para os 22%, quando no período homólogo de 2013 foi de 24%.

Na área da segurança alimentar, foram fiscalizados no primeiro semestre do ano 9.099 operadores, sendo que as apreensões efetuadas pela ASAE correspondem a um valor total de 684.853 euros.

Os produtos que mereceram maior preocupação por parte da ASAE foi o pescado, onde uma das infrações mais correntes, segundo Pedro Gaspar, «é vender-se gato por lebre», e o vinho «que sofre muita adulteração».