No âmbito do processo de resolução, o Estado teve de injetar cerca de dois mil milhões de euros no Banif, mas o Governo impediu que isso implicasse maiores necessidades de financiamento para este ano.

Para isso, aquando da venda do banco, o Governo acordou com o Santander Totta que este teria de emprestar 1,8 mil milhões de euros ao Estado. Segundo o Jornal de Negócios, a operação acabou por acontecer no auge da turbulência que fez disparar os juros da dívida.

“Foi uma solução acordada na altura da resolução, que visou diminuir o esforço de financiamento do Estado em 2016”, confirmou fonte do banco espanhol ao Negócios.

Já o Ministério das Finanças referiu que “o banco Santander Totta recebeu liquidez que depois utilizou para subscrever o MTN referido, realizado a condições de mercado”.