O Banco Popular já mostrou interesse na aquisição do Novo Banco num documento enviado às autoridades portuguesas, disseram à agência Efe fontes financeiras.

No documento, a instituição presidida por Ángel Ron indica que quer analisar as condições de venda da entidade financeira, mas isso não significa que vá apresentar uma oferta, de acordo com a agência espanhola.

No passado dia 23 de dezembro, um outro banco espanhol, o Santander, formalizou o seu interesse no Novo Banco, cerca de uma semana depois de o Banco BPI ter igualmente oficializado o seu interesse na instituição.

A imprensa económica portuguesa tem avançado nos últimos dias que a chinesa Fosun e a norte-americana Apollo também já deram conta do seu interesse na eventual compra do Novo Banco às autoridades portuguesas.

A agência Lusa entrou em contacto com ambas as entidades, porém, até ao momento, não foi possível confirmar esta informação junto das suas fontes oficiais.

A 03 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros.

Na altura, foi anunciada a separação da instituição em duas entidades: o chamado banco mau (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição que foi designado Novo Banco, que vai ser vendido num processo que decorrerá em várias fases e num prazo máximo de dois anos.

As entidades interessadas na aquisição têm até 31 de dezembro para manifestar o seu interesse, segundo explicou no passado dia 4 o Fundo de Resolução, que detém o Novo Banco.