A banca portuguesa teve um rácio core Tier 1 agregado de 12,3 pct no final de 2013, claramente acima dos 10 pct exigidos pelo Banco de Portugal (BP), reforçando a solvabilidade durante o programa de resgate que agora está a terminar, segundo o relatório da atividades do Banco de Portugal. Em 2012, o core capital situou-se em 11,5 pct e em 2010 em 8,1 pct.

«O BdP adotou, desde 2010, diversas medidas para preservar rácios de capital adequados», disse o banco central, que tem uma supervisão mais intrusiva.

Explicou que «estas medidas incluíram a recomendação de venda de ativos, a imposição de aumentos de capital,a limitação de distribuição de dividendos e afixação de objetivos de capital mais exigentes».

Afirmou que «conduziu também testes de esforço (stress tests) trimestrais às maiores instituições bancárias, com base num cenário macroeconómico comum, para avaliar a capacidade do sistema bancário para enfrentar choques adversos».

Adiantou que, neste âmbito, foram aperfeiçoadas e desenvolvidas novas metodologias, em particular através de modelização de uma abordagem do geral para o particular top-down.

Acrescentou que «desenvolveu ferramentas analíticas de avaliação do risco sistémico, destacando-se a construção de indicadores de risco de contágio entre setores e instituições e a conjugação de informação micro e macroeconómica, em particular no estudo da situação financeira das famílias e das empresas».

«Paralelamente, o BdP adotou um modelo de supervisão mais intrusivo, baseado no risco e com um foco mais transversal e prospetivo», disse o banco central.

O banco passou a desenvolver exercícios transversais de inspeção aos principais grupos bancários, focados em determinadas classes de ativos e processos.

O BCE quer fazer um novo escrutínio dos riscos nos balanços dos bancos europeus antes de ficar responsável pela supervisão destes, um passo crucial que está previsto na futura União Bancária para evitar a repetição da crise da dívida do euro.

Na definição dos seus planos para escrutinar 128 bancos da zona euro que representam cerca de 85 por cento do sistema bancário deste bloco, o BCE irá usar medidas mais duras previstas pelo regulador europeu na avaliação da qualidade dos ativos.

A ação do BdP, «para salvaguardar a estabilidade financeira» esteve em linha com os objetivos para o triénio 2011-2013 uma estratégia assente em quatro eixos fundamentais: reforço da solvabilidade dos bancos, proteção da liquidez do sistema, intensificação do acompanhamento e supervisão do sistema bancário e melhoria do quadro regulamentar.