O presidente do Conselho de Administração da TAP, Fernando Pinto, afirmou que a saída do Reino Unido da União Europeia terá como consequência uma redução no volume de negócios da companhia aérea.

"É um processo que vai levar algum tempo e vamos ter que nos adaptar. Temos preocupação com o volume de negócios, que vai, sem dúvida nenhuma, decrescer", afirmou Fernando Pinto, à margem da cerimónia de homenagem da TAP aos atletas olímpicos portugueses, em Lisboa.

Em declarações aos jornalistas, o presidente da TAP admitiu que o Brexit, expressão como ficou conhecida a saída britânica da União Europeia, "é uma nova dificuldade", mas recordou que "Portugal é tradicionalmente um grande parceiro da Inglaterra e, (...) no final, essa parceria, essa amizade, vai prevalecer".

"É uma nova dificuldade que vamos ter que ultrapassar, como já ultrapassámos diversas", declarou o gestor, adiantando que a TAP ainda não fez estimativas sobre o impacto que a decisão dos britânicos terá no tráfego da companhia aérea nacional.

Na segunda-feira, a companhia aérea de baixo-custo easyJet advertiu que o Brexit vai ter impacto nas vendas na segunda metade do ano.

A transportadora britânica antecipa que o resultado do referendo da passada quinta-feira vai criar incerteza na economia e entre os consumidores, diminuindo a receita em aproximadamente 5%, “pelo menos”, comparativamente ao período homólogo do ano passado.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da União Europeia, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

Logo na sexta-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a sua demissão, com efeitos em outubro, e os líderes da UE defenderam uma saída rápida do Reino Unido.