É um passo em frente na evolução do lazer. Depois dos hotéis vieram os SPA, agora chegam os destinos espirituais, onde os clientes podem tratar da alma e do espírito, além do corpo.



À medida que o ritmo do dia-a-dia aumenta, sobe também a necessidade de nos libertarmos, por uns dias que seja, do stress e de tudo o que nos causa ansiedade. A resposta do sector turístico não se fez esperar e os destinos espirituais foram aparecendo, tímidos ao início e agora em franco crescimento lá fora.

Praias do Algarve em risco de serem destronadas



Para um retiro espiritual de cariz religioso ou apenas uma pausa para meditação, multiplicam-se os destinos prontos a receber mentes atormentadas em busca de paz. Estes verdadeiros «refúgios» oferecem pequenos recantos paradisíacos, como jardins frescos e bucólicos, onde quem precisa de descanso se pode sentir longe do mundo.



Aqui, os interessados podem dedicar-se a pensar no sentido da sua vida, a demonstrar fé religiosa, receber massagens ou iniciar-se em estudos filosóficos e espirituais, como o do holismo e do budismo. Há também espaços onde são ministrados conhecimentos medicinais, como o das medicinas alternativas e outros onde as pessoas podem dedicar-se ao ioga, à meditação ou à contemplação, entre muitos outros.

Portugueses fazem cada vez menos férias fora do país



Outros, mais voltados para a realidade prática da vida, oferecem workshops sobre temas de cariz social, como a paz, a justiça, a sustentabilidade e causas como o ambiente, os direitos dos animais ou a integração de homossexuais.



Contactada pela Agência Financeira, fonte da Associação Portuguesa de Agências de Viagem e Turismo (APAVT) revela que em Portugal ainda não existem ofertas organizadas a este nível, como acontece já em muitos outros países.



«Esta é uma tendência [destinos espirituais] que tem começado a ter alguma expressão em termos internacionais. Mas é ainda um micro-nicho, que em Portugal tem muito pouco significado, já que a procura a este nível é relativamente baixa». No entanto, assume o responsável, «há portugueses que idealizam as suas férias em função desta configuração e muitas vezes deslocam-se às agências de viagens com essa ideia», apesar de ainda «não existirem produtos que ofereçam essa iniciativa» em Portugal.



E quando a questão é: «Quais são os produtos que os Portugueses procuram mais?», a mesma fonte é peremptória: «a praia e o sol». Quanto aos destinos eleitos para este Verão, revela, são o Brasil, as Caraíbas e a República Dominicana.