O vice-ministro das Finanças grego, Dimitris Mardas, reconheceu esta quarta-feira que o Estado tem um problema de tesouraria e que lhe faltam 400 milhões de euros para satisfazer as necessidades no corrente mês de abril.

Em declarações à cadeia televisiva privada Mega, o ministro disse que a Grécia está «no limite» desde fevereiro, mas mostrou-se otimista quanto à resolução do «buraco» financeiro, considerando que por não ser muito grande, poder-se-á cobrir nos próximos dias.

Esta falta de liquidez levou Atenas a publicar, na segunda-feira, um decreto que obriga os organismos públicos a transferirem as suas reservas em dinheiro para o Banco da Grécia, para as emprestarem ao Estado.

Esta operação desencadeou uma onda de críticas entre os municípios, que aprovaram, na terça-feira, uma resolução na qual se negam a desembolsar qualquer fundo, pelo menos até que haja uma decisão oficial numa assembleia formal.

Os autarcas exigiram, além disso, reunir-se com o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, como refere a Lusa.