Entraram em insolvência, nos primeiros quatro meses deste ano, mais 18% de empresas do que no mesmo período de 2015, segundo os dados hoje divulgados pela empresa de gestão de risco Ignios. Terão sido, no total, 2.889 empresas.

“Os serviços dependentes da procura interna e de consequentes importações, continuam a constituir a maioria das insolvências e do seu aumento”

Destaca-se, sobretudo, o comércio a retalho, por grosso e de veículos e a restauração, sendo que a esmagadora maioria das insolvências deram-se em microempresas (quase 90%), cita a Lusa.

Quanto às regiões, o aumento mais significativo de insolvências foi no Porto, seguido de Lisboa.

117 novas empresas por dia

Já quanto à criação de empresas, até abril foram constituídas 14.068: na prática, foram constituídas 117 novas entidades por dia. Ainda assim, este valor representa uma queda de 6,8% face ao mesmo período de 2015.

O setor mais dinâmico na criação de empresas foi a hotelaria e restauração, com 1.778 novas empresas, mais 2,5% do que em período homólogo de 2015, refletindo segundo a Ignios “o impacto do aumento de exportações de serviços turísticos”.

O comércio a retalho foi o segundo setor a criar mais empresas, no total de 1.636.