A Toys "R" Us, a gigante do retalho, que durante anos tem feito as delícias dos mais pequenos, entregou um pedido de insolvência, na sequência de uma dívida esmagadora de um negócio que tem 12 anos, e à medida que é pressionada pela concorrência de gigantes do retalho online, noticia a Bloomberg.

A decisão da administração da  Toys “R” Us tem implícito um processo de  reestruturação que  deverá ocorrer antes da época tradicionalmente de maiores vendas do ano - o Natal -, dando assim à empresa a flexibilidade financeira necessária para investir no negócio e se reposicionar para enfrentar as mudanças em curso no sector do retalho.

Em comunicado, a  Mattel refere que “sendo um dos nossos mais importantes parceiros no retalho, estamos empenhados em apoiar a  Toys ‘R’ Us a a sua equipa de gestão enquanto levam a cabo o processo de reestruturação, em particular à medida que nos aproximamos do Natal."

O pedido de insolvência surge como o último reduto de uma marca que acabou por não se conseguir reinventar numa altura em que, por exemplo, a Amazon, dá carta na indústria de vendas online e, tal como outras marcas, revolucionou a forma como os consumidores compram e, inclusive, recebem os produtos em casa.

Dezenas de grandes retalhistas já pediram a proteção contra credores este ano, incluindo a Payles e a Gymboree Corp. e Perfumania Holdings, à medida que fecham lojas não rentáveis e expandem as operações online.

Segundo a Bloomberg, a loucura pelas compras online espalhou-se pelos Estados-Unidos e está a penalizar desde centros comerciais a lojas mais pequenas. Mais de 10% dos espaços para retalho na maior economia do mundo, próximo de 9 mil milhões de metros quadrados, poderão encerrar, ser transformados em algo diferente ou renegociados a valores mais baixos de renda nos próximos anos, segundo dados do CoStar Group, citados pela agência.

Grande parte da dívida da gigante de brinquedos é um legado de cerca de 6,3 mil milhões de euros, na sequência de uma operação feita em 2005. Na época  a Toys “R” Us foi comprada pelas empresas de private equity KKR e Bain e pelo fundo imobiliário Vornado. 

Atualmente a empresa conta com cerca de 1.600 lojas em todo o mundo e sites de venda, que incluem o Toysrus.com e o Babiesrus.com.