A McDonalds em Macau deixou de usar produtos da fábrica chinesa onde foi descoberta carne de frango estragada, e está a ser fornecida por outras empresas da China e Tailândia, informou a companhia numa resposta enviada hoje à agência Lusa.

«Os nossos restaurantes deixaram completamente de usar produtos fornecidos pela Husi China», afirma a McDonald's Macau.

As autoridades chinesas encerraram no domingo uma fábrica do fornecedor norte-americano em Xangai na sequência da venda de carne fora da validade a grandes cadeias de restauração como a McDonald's e KFC. Alegadamente, a Husi misturava carne estragada com carne fresca, embalando-a com novos rótulos.

«Desde as notícias sobre a fábrica Husi em Xangai, o IACM [Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais de Macau] suspendeu a importação de todos os produtos da Husi China até novo aviso. Atualmente não estamos a servir quaisquer ingredientes fornecidos pela Husi China», acrescenta a resposta escrita enviada à Lusa.

A McDonald's refere ainda que «a maioria dos derivados de carne usados nos estabelecimentos em Macau são fornecidos pela McKey Shenzhen (China) e Cargill Meats (Tailândia), por conseguinte não afetados» pelo escândalo alimentar denunciado por uma televisão de Xangai.

Uma reportagem da Dragon TV, com câmara oculta e jornalistas infiltrados, esteve na origem da denúncia do escândalo alimentar, ao mostrar como funcionários da Husi usavam conscientemente carne de frango alegadamente fora da validade há mês e meio para reprocessar vários produtos, e conseguindo ludibriar os controlos sanitários.

Além da McDonald's, a fábrica de Xangai tinha como clientes outros gigantes da restauração rápida como o Kentucky Fried Chicken (KFC), Pizza Hut (grupo Yum), Burger King, Papa John's Pizza, Starbucks e 7-Eleven.

Em Macau, de acordo com o IACM, o último registo de importação congelados de frango da fábrica chinesa Husi data de 17 de junho, indicando que 576 quilogramas foram fornecidos na totalidade aos estabelecimentos da McDonald's no território.

O IACM informou, na quarta-feira, não ter detetado produtos contaminados nas inspeções realizadas em Macau, mas ainda assim instou «o importador para que suspendesse o fornecimento e notificou os retalhistas para que parassem de usar e vender os produtos suspeitos de problemas».

Já em Hong Kong, a cadeia de restauração rápida norte-americana indicou ter suspendido, na quinta-feira, a venda de nuggets de frango (pedaços de frango panados), de hambúrgueres de frango, e de saladas, noticiou a rádio pública de Hong Kong (RTHK).

«Os produtos que foram importados da Husi e estão armazenados em Hong Kong não devem mais ser fornecidos aos consumidores. Eles serão etiquetados e selados pelo nosso pessoal», disse Lee Siu-yuen, subdiretor do departamento de segurança alimentar de Hong Kong à estação de rádio.

Além da China, o escândalo alimentar teve repercussões no Japão, onde a McDonalds confirmou que 20% dos seus nuggets provinham da fábrica de Xangai.