O Japão registou um défice comercial recorde de 4,98 biliões de ienes (37.208 milhões de euros) entre abril e setembro, o primeiro semestre do seu exercício fiscal, informou esta segunda-feira o Governo.

Entre a abril e setembro, as exportações do Japão, que representam 40% do seu Produto Interno Bruto (PIB), aumentaram 9,8% em termos anuais até aos 35,3 milhões de ienes (263.393 milhões de euros), enquanto as importações cresceram 13,9%, totalizando 40,3 biliões de ienes (300.600 milhões de euros).

Durante os primeiros seis meses do exercício fiscal do Japão, o défice comercial com a China, o seu principal parceiro comercial, aumentou 57,1% até aos 2,4 biliões de ienes (18.022 milhões de euros).

Em paralelo, o seu superavit comercial com os Estados Unidos cresceu 23% até aos 3,06 biliões de ienes (22.830 milhões de euros) entre abril e setembro deste ano. Já o seu saldo comercial negativo com a União Europeia triplicou, com o défice a atingir 376.831 milhões de ienes (2,8 milhões de euros).

De acordo com os dados publicados pelo Ministério das Finanças nipónico, só em setembro a balança comercial do Japão registou um défice de 932.149 milhões de ienes (6.950 milhões de euros): as exportações totalizaram 5,9 biliões de ienes (44.538 milhões de euros) ¿ mais 11,5% ¿, enquanto as importações atingiram 6,9 biliões de ienes (51.480 milhões de euros), fruto de um crescimento de 16,5% em termos anuais.