A despesa do Estado em 2013 ascendeu a 61.091,8 milhões de euros, um aumento de 3,8% face a 2012, tendo sido gastos mais 2.208,4 milhões de euros do que em 2012.

De acordo com a síntese da execução orçamental de 2013, hoje divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), as despesas com pessoal da administração central aumentaram 10,4% em 2013, para os 12.696,5 milhões de euros, em «resultado do pagamento do subsídio de férias e de Natal, bem como da atualização dos encargos das entidades empregadoras com a Caixa Geral de Aposentações».

A despesa decorrente do pagamento de subsídios aumentou 42,1%, totalizando 1.059,5 milhões de euros, segundo a DGO.

«Caso não se verificasse o efeito da reposição dos subsídios nem do aumento da contribuição patronal das entidades para os sistemas de previdência social, as despesas com pessoal registariam uma quebra de 4,2%», devido à redução do número de funcionários públicos, de acordo com o documento.

Quanto à receita, o Estado arrecadou mais 3,8% em 2013 do que em 2012, num total de 52.749,6 milhões de euros, um valor que é justificado pelo aumento de 12,8% na receita fiscal da administração central e pelo crescimento de 34,5% das contribuições para a CGA e para a ADSE.

Só com contribuições para a segurança social, o Estado arrecadou 5.091,4 milhões de euros no ano passado, valor que em 2012 foi de 3.785,9 milhões de euros.