A produção na construção em Portugal teve em agosto, pelo segundo mês consecutivo, a maior queda homóloga (-12,8%) da União Europeia, registando contudo o maior aumento (10,8%) face ao mês anterior, julho, revela o Eurostat.

Segundo as primeiras estimativas do Eurostat, a produção no setor da construção observou em agosto, face ao mesmo mês do ano passado, um recuo de 4,7% na zona euro e de 2,5% entre os 28 países da União Europeia.

Na comparação anual, a produção diminuiu em nove Estados-membros e aumentou em seis, com Portugal a liderar os países com maiores quedas, com -12,8%, à frente da Itália (-10,6%), da Bulgária (-9,5%) e da Polónia (-8,9%).

As maiores subidas homólogas foram verificadas na Hungria (14,6%), Roménia (8,9%), Espanha (7%) e Suécia (5%).

Em julho, Portugal também já tinha registado a maior descida homóloga na produção na construção (-16,3%).

Já na comparação mensal, isto é, em relação a julho de 2013, a produção no setor da construção aumentou 0,5% na zona euro e 0,4% no conjunto da União Europeia.

Entre os 28 Estados-membros, em agosto, a produção na construção aumentou em sete e diminuiu em oito, tendo Portugal (10,8%), Suécia (4,8%), Hungria (4%) e Itália (3,4%) observado as maiores subidas.

As maiores quedas face a julho tiveram lugar na República Checa (-3,6%), Eslovénia (-2,8%), Alemanha (-1,9%) e Polónia (-1,6%).

Neste boletim, o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia reviu ainda os dados do mês de julho (publicados em setembro) relativos à taxa de crescimento mensal da produção na construção (de 0,3% para 0,7% na zona euro e de 0,7% para 1,3% na União Europeia) e à taxa de crescimento anual (de -1,2% para -2,2% na zona euro e de -1,1% para -1,2% na União Europeia).