O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, considerou hoje «motivo de esperança» a descida, «lenta mas consistente», do desemprego.

Taxa de desemprego em Portugal baixou em dezembropelo décimo mês consecutivo, para os 15,4%.

«O facto de o desemprego, lenta mas consistentemente, estar a reduzir é um motivo de esperança», afirmou aos jornalistas Paulo Portas, em Lisboa, depois de ter participado na sessão de encerramento de uma conferência sobre ensino privado, organizada pela Confederação Nacional da Educação e Formação.

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas comunitário, as maiores reduções no desemprego foram observadas na Irlanda (de 14% para 12,1%), na Letónia (de 14% para 12,1%), em Portugal (de 17,3% para 15,4%), na Hungria (de 11% para 9,3% entre novembro de 2012 e novembro de 2013) e na Lituânia (de 13% para 11,4%).

Aos jornalistas, Paulo Portas assinalou também, quando confrontado com um possível programa cautelar pós-troika, que ainda «não chegou o momento para o Governo português dizer qual é que é a melhor saída do programa» de assistência financeira internacional.

«A Irlanda terminava o programa [de ajuda externa] em dezembro e só disse como saía do programa em novembro. Portugal só termina o programa em maio», lembrou o vice-primeiro-ministro.