Depois de meses de negociações e impasses, o terceiro resgate da Grécia pode ficar fechado na semana que vem. O presidente do Eurogrupo admite a possibilidade de uma reunião extraordinária dos ministros das finanças da zona euro na próxima quinta-feira, com vista à formalização de acordos.

Se houver consenso, o Eurogrupo admite discutir reestruturação da dívida grega, com mexidas nos prazos e juros, mas não um corte de dívida.

Em conferência de imprensa depois da reunião informal dos ministros, em Amesterdão, Jeroen Dijsselbloem enumerou a necessidade das autoridades gregas concluírem os trabalhos sobre o pacote inicial, mas também de um outro com “medidas adicionais, que deve ser implementado se necessário”.

O Governo grego comprometeu-se a “trabalhar nos próximos dias”.

Antes da reunião, a líder do FMI mostrou-se pouco entusiasmada. Christine Lagarde fez notar que tem havido "algum progresso". Mesmo assim, não chega: "É preciso mais para que a Grécia fique outra vez em pé".

Já no início de abril, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional advertiu que a Grécia estava "longe" de apresentar um programa coerente que pudesse ter acordo dos credores internacionais. Agora, pelo menos segundo o Eurogrupo, parece estar tudo encaminhado para o fumo branco.