O Conselho de Administração do Santander aprovou esta quinta-feira levar a cabo um aumento de capital de até 7.500 milhões de euros, segundo informação prestada pela instituição financeira ao regulador do mercado.

Em comunicado hoje enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Santander refere que o seu Conselho de Administração «acordou levar a cabo um aumento de capital com que o banco espera captar um montante de até 7.500 milhões de euros».

A operação vai passar pela emissão de até 1.258.441.465 ações com o valor nominal unitário de 0,50 euros, as quais serão ações da «mesma classe e série que as que atualmente (estão) em circulação», ficando excluídos direitos preferenciais de subscrição.

O objetivo deste aumento de capital é, explicou o banco espanhol, «acompanhar o crescimento das economias onde está presente», nomeadamente Espanha, Portugal e Alemanha, mas também Brasil, Reino Unido, Estados Unidos, Polónia, Argentina, México e Chile.

O Santander refere que, depois da operação de aumento de capital, vai «reformular a sua política de dividendos, voltando a pagar efetivamente a maior parte do mesmo», recordando que, durante os anos da crise, o programa Santander Dividendo Elección permitiu que o banco se conseguisse recapitalizar, podendo os acionistas optar por receber os dividendos ou convertê-los em ações.

«A intenção do Conselho de Administração é que a retribuição em relação aos resultados de 2015 seja de 0,20 euros por ação», lê-se na nota do Santander.

Além disso, o banco acrescenta que «nos próximos exercícios a evolução do dividendo será de acordo com o crescimento dos resultados, com o objetivo de que a remuneração efetiva represente entre 30% e 40% do resultado recorrente, em vez dos atuais 20%».

As novas ações do Santander «serão ações ordinárias, pertencerão à mesma classe e série e terão os mesmo direitos políticos e económicos que as restantes ações ordinárias do banco Santander atualmente em circulação».

O Santander vai pedir a admissão da negociação das novas ações nas bolsas espanholas de Madrid, Barcelona, Bilbau e Valência, bem como em praças bolsistas estrangeiras onde o banco tem operações, nomeadamente Lisboa, Londres, Milão, Varsóvia, Buenos Aires, México, Nova Iorque e São Paulo.

O Banco Santander, que detém em Portugal o Santander Totta, já tinha comunicado ao final da manhã que convocou para hoje um Conselho de Administração extraordinário para aprovar um aumento de capital de até 7.500 milhões de euros, numa operação que exclui direitos preferenciais de subscrição.

Este aumento de capital representa cerca de 9,9% do capital do banco e a operação será realizada através de uma colocação acelerada.