Os ministros das Finanças da zona euro chegaram a acordo, esta quinta-feira, no Luxemburgo, sobre o desembolso da terceira tranche do empréstimo à Grécia, no montante de 8,5 mil milhões de euros. Isto mesmo anunciou o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Foi uma reunião crucial para o programa [de assistência à Grécia], e estou satisfeito por anunciar que chegámos a um acordo sobre todos os elementos: a condicionalidade, a estratégia a seguir para a dívida e a participação do Fundo Monetário Internacional (FMI)”, declarou Dijsselbloem.

Após meses de negociações e sucessivos desacordos, a Grécia recebeu assim, finalmente, “luz verde” dos seus credores – zona euro e Fundo Monetário Internacional (FMI) – para o desembolso de uma nova tranche do empréstimo no quadro do resgate em curso, que Atenas aguardava já com grande urgência, para fazer face aos pagamentos em atraso mais urgentes que tem que saldar até julho.

Por sua vez, a diretora do FMI, Christine Lagarde, anunciou em comunicado “a intenção de propor ao Conselho de Administração do FMI” que aprove a participação da instituição no plano de ajuda à Grécia.

O acordo hoje concluído, que não era alvo de dúvidas, dado o otimismo manifestado antes da reunião, constitui um verdadeiro alívio para a zona euro, porque permite relançar o terceiro plano de ajuda à Grécia, assinado em julho de 2015, no valor de 86 mil milhões de euros, que estava em aberto há meses devido a divergências entre membros da zona euro – sobretudo a Alemanha – e o FMI.

No total, a nova tranche entregue a Atenas permitirá pagar ‘in extremis’ mais de sete mil milhões de euros de dívidas cujo prazo vencia em julho, afastando o risco de uma crise estival.

Conseguimos alcançar um acordo global que vai permitir à Grécia virar a página de um período muito difícil”, congratulou-se o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici.

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, considerou que o acordo alcançado é um “avanço muito importante” e uma “boa notícia para a construção da área do euro”.

São boas notícias para a construção da área do euro. É muito importante este avanço que hoje se deu. Vamos continuar obviamente a trabalhar todos para esse sucesso”, reforçou.

Em declarações aos jornalistas após a reunião, Centeno comentou que “correu bem para todos na área do euro, porque houve um avanço muito construtivo no processo grego”.

O governante saudou o “avanço muito claro nas autorizações que vão ser dadas nas próximas semanas para também o programa grego evoluir, com mais um pagamento à Grécia e, posteriormente, evolução também na análise da sustentabilidade da dívida grega, para que o acordo que foi alcançado em maio de 2016 possa ser cumprido na sua integralidade”.

Centeno considerou que o acordo de hoje é o corolário da “evolução muito positiva dos compromissos que o governo grego tem assumido e tem concretizado em termos de alterações estruturais, de reformas, de reafirmação de reformas que têm sido feitas”.