Cerca de duas centenas de trabalhadores da OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal - realizaram hoje uma marcha de protesto em Alverca para reivindicar aumentos salariais e para se queixarem de "perseguições e discriminações dentro da empresa".

A ação de protesto foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores Civis das Forças Armadas, Estabelecimentos Fabris e Empresas da Defesa (STEFFA) e teve lugar nalgumas artérias da cidade de Alverca, concelho de Vila Franca de Xira, onde está sediada a OGMA.

Em causa está, segundo explicou à agência Lusa o sindicalista Alexandre Plácido "a necessidade de ser atualizada a tabela salarial" dos trabalhadores da OGMA, que "não ocorre há quatro anos".

"No nosso entendimento existem todas as condições para que seja atualizado o ordenado dos trabalhadores. Temos aqui trabalhadores a ganharem 700 euros e a terem de lidar com material que vale milhões. Estamos a falar de uma empresa que apresenta bons resultados e tem cada vez mais lucros", argumentou.

Além da exigência de aumentos salariais, o protesto serviu também para os trabalhadores se manifestarem contra o banco de horas criado pela empresa e contra aquilo que designam de "perseguições e assédio" por parte da administração.

"Existe um clima constante de repressão e de assédio laboral. Para nós basta", denunciou.

Contudo, numa posição oficial enviada à agência Lusa, fonte da OGMA negou que exista qualquer problema laboral e sublinhou que a empresa "reconhece o contributo dos trabalhadores".

"A empresa distribui uma parte dos lucros pelos trabalhadores, tendo em conta o cumprimento dos objetivos de desempenho delineados. Desde 2006 já foram distribuídos 13,5 milhões de euros aos trabalhadores, dos quais 1,8 milhões de euros serão pagos em abril deste ano, referentes aos resultados de 2015", afirmam.

A mesma nota sublinha que a "OGMA acredita que o desempenho da empresa, as condições proporcionadas aos trabalhadores, o reconhecimento do seu mérito e da sua competência e a criação de postos de trabalho transformam a empresa numa referência a nível nacional e internacional".

Na OGMA trabalham cerca de 1.600 trabalhadores.