O principal índice da bolsa portuguesa encerrou a sessão desta quarta-feira a crescer 3,07% para 6.299,50 pontos, num dia positivo para as praças europeias, com a banca em destaque, sobretudo, o BES, que disparou cerca de 20%.

Das 20 cotadas que integram o PSI20, 17 subiram e duas fecharam o dia em terreno negativo. Já a negociação dos títulos do Espírito Santo Financial Group (ESFG) continua suspensa.

As ações do BES subiram 19,74% para 0,455 euros, recuperando das fortes quedas das últimas sessões. Só na segunda-feira e na terça-feira os papéis do banco agora liderado por Vítor Bento tinham perdido 7% e 15%, respetivamente.

O resto do setor acompanhou a onda positiva e também fechou o dia com fortes ganhos. O BCP cresceu 6,30% para 0,1063 euros, o BPI ganhou 5,45% para 1,45 euros, e o Banif progrediu 3,37% para 0,0092 euros.

A Portugal Telecom (PT) também esteve em destaque pela positiva, avançando 3,28% para 1,89 euros. Isto, depois de a empresa de telecomunicações portuguesa e a brasileira Oi terem reafirmado hoje, antes de abertura do mercado, que se mantém firme o seu acordo de fusão.

A PT comunicou este acordo com a sua parceira brasileira OI depois de a Rioforte, a "holding"' para a área não financeira do Grupo Espírito Santo (GES), ter falhado o reembolso de 847 milhões de euros à operadora portuguesa.

Quanto as restantes pesos pesados (Galp, Jerónimo Martins e EDP), também valorizaram e ajudaram a impulsionar o PSI20. A petrolífera somou 2,43% para 13,05 euros, a retalhista cresceu 1,85% para 11,59 euros e a energética ganhou 1,34% para 3,415 euros.

Nota ainda para as fortes subidas da Altri (3,98% para 2,17 euros), da Mota-Engil (3,72% para 4,85 euros) e da Sonae (3,54% para 1,141 euros).

Apenas dois títulos fecharam no vermelho, com a Impresa a perder 1,72% para 1,425 euros e a Teixeira Duarte a recuar 0,39% para 0,763 euros.

No resto da Europa, o dia também foi de ganhos significativos, que variaram entre os 1,11% de Londres e os 3,17% de Milão.