O grupo de telecomunicações Oi afirmou nesta terça-feira que poderá vender ativos não estratégicos e participações em empresa controladas, mas que «até a presente data» não há decisão sobre possível venda de ativos em Portugal.

A empresa afirmou ainda que «tampouco recebeu qualquer proposta para isso», sobre a eventual venda de ativos.

Em comunicado enviado oela PT à Comissão de Mercado e Valores Mobiliários, a empresa reitera que «é parte de sua estratégia buscar e analisar alternativas para reforçar e melhorar sua flexibilidade financeira, permitindo aumentar os vencimentos e maturidades da sua dívida, reduzir o custo associado ao financiamento e fortalecer a sua posição de liquidez, inclusive por meio de eventual alienação de ativos não estratégicos e participações em controladas», dando como exemplo as participações da Oi na Africatel Holdings.

Neste caso, «a companhia procura interessados em sua aquisição, mas, até o momento, não há qualquer acordo, nem foram assinados quaisquer instrumentos ou propostas visando à alienação dos mesmos».

Esta segunda-feira, uma fonte próxima do assunto afirmou à Reuters que o grupo europeu Altice poderia comprar ativos portugueses da Oi e que as conversas estavam relativamente avançadas.

Após a fusão com a Oi, a portuguesa ficou com 25% da brasileira, mas corre o risco de ser apenas uma acionista de referência. A PT saiu mal na relação com os brasileiros depois do investimento ruinoso de 900 milhões de euros na Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo.

A Altice é dona da Cabovisão e da Oni. A avançar, significa o fim do projeto luso-brasileiro que estava subjacente à fusão entre a portuguesa e a brasileira.