A comissão de trabalhadores (CT) da Renault Cacia anunciou esta segunda-feira que vai prolongar a greve às horas extraordinárias, caso continuem a ser pagas ao valor reduzido em 2012.

«Os trabalhadores da Renault Cacia, desde que esta medida foi aplicada em 2012, estão em greve às horas extraordinárias, greve que continuará. Os trabalhadores entendem e querem que a empresa seja mais competitiva, no entanto, pensam que isso deve passar pelo aumento dos conhecimentos e das competências dos mesmos", refere um comunicado da comissão de trabalhadores.

A CT manifesta «a sua total discordância e indignação com a vontade das associações patronais e empresariais de verem os feriados e as horas extraordinárias continuarem a ser pagos ao valor reduzido negociado em 2012».

Para a CT da Renault Cacia, essa posição revela a continuação «do aproveitamento dos trabalhadores» pelas entidades patronais.

«Sempre fomos contra, porém, hoje mais do que nunca, estes dois anos comprovam o que sempre dissemos: não é desta forma que se aumenta a competitividade, nem se cria emprego», lê-se no comunicado.

Para a CT, os «cortes» às horas extraordinárias não aumentam a competitividade, mas sim, «o roubo dos direitos dos trabalhadores, com o alto patrocínio do governo».