O diretor da divisão Global Technology Services & Strategic Outsourcing da IBM em Portugal disse que o centro de Cloud da multinacional «está totalmente operacional» desde 01 de julho e contará com 60 pessoas, um número que pode aumentar.

A 02 de julho, durante o debate do estado da Nação, o ministro da Economia, António Pires de Lima, anunciou que a tecnológica tinha escolhido Lisboa para um dos seus centros mundiais.

De acordo com o responsável da IBM, o centro está «totalmente operacional e pronto a fornecer serviços a clientes» desde o início do mês e a «sua preparação teve lugar durante a primeira metade deste ano», explicou João Gonçalves.

Este é um centro de computação e de serviços Cloud (nuvem) que obedece a padrões de segurança e desempenho mais exigentes e que «incorpora o conhecimento e melhores práticas que resultam do facto de a IBM ter a maior unidade mundial de pesquisa e desenvolvimento do que qualquer empresa privada», adiantou.

«Com a instalação das soluções dos clientes IBM, e de acordo com a capacidade planeada até final de 2016, este centro de Cloud terá cerca de 60 pessoas localizadas em Portugal a prestar serviços de administração da infraestrutura e do software instalados», afirmou João Gonçalves.

No entanto, «face às taxas de crescimento previstas para os serviços Cloud, estimamos que este número venha a crescer», acrescentou.

João Gonçalves adiantou que «a instalação do centro de Cloud da IBM em Lisboa foi efetuada com base em recursos locais, com amplas provas dadas no serviço aos clientes de outsourcing estratégico da IBM em Portugal e na participação em projetos internacionais, sob a orientação e intervenção das equipas que coordenam a rede global dos centros» da multinacional tecnológica.

Este centro faz parte de uma rede mundial de computação na Cloud com serviços geridos e está disponível para clientes onde quer que eles estejam, adiantou.

Questionado sobre quantos países concorreram a este centro, o diretor da IBM explicou que atualmente a multinacional tem centros Cloud globais de serviços geridos em 12 países, distribuídos por todos os continentes.