O presidente do Eurogrupo considerou esta segunda-feira que o elevado desemprego em Espanha torna necessário mais reformas laborais e que, apesar dos sinais de recuperação, «é necesário mais trabalho para voltar ao crescimento», nota a Lusa.

Jeroen Djisselbloem, que falava em Madrid num encontro promovido pelo Nova Economia Fórum, defendeu ainda o progresso para a união bancária, através de um programa «rigoroso, ambicioso e transparente».

Para este responsável europeu, e também ministro das Finanças holandês, dificilmente a zona euro regressará, nos próximos tempos, a níveis de crescimento económico anteriores à crise, já que mudaram as condições de acesso ao crédito e no futuro não haverá tantas facilidades de empréstimo.

Djisselbloem disse que as metas da UE serão procurar um crescimento económico sustentado e manter o modelo europeu social, admitindo que «não será tarefa fácil».