A construtora aeronáutica brasileira Embraer vai criar um centro de engenharia e tecnologia, nas suas instalações em Évora, para o desenvolvimento de peças e estruturas em materiais compósitos, prevendo a contratação de cerca de 20 engenheiros.

O protocolo para a criação do centro foi assinado hoje, em Évora, entre a empresa, a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), na presença do ministro da Economia, António Pires de Lima.

O novo centro da Embraer «vai, inicialmente, dedicar-se a projetar peças em materiais compósitos», explicou o vice-presidente da empresa para a Tecnologia e Engenharia, Mauro Kern.

«O projeto de peças em materiais compósitos é muito ligado às tecnologias produtivas, então faz todo o sentido que nós tenhamos um núcleo de engenharia, de alta competência, instalado muito próximo da nossa operação industrial», disse.

O responsável indicou que o centro de engenharia e tecnologia da empresa deve abrir «ainda este ano» e que o processo para a contratação de engenheiros vai arrancar «por volta da metade do ano ou até antes».

«A nossa intenção é contratar o máximo possível de pessoas da região», tal como já acontece no centro do mesmo género nos Estados Unidos, disse.

As fábricas de Évora da Embraer, a terceira maior construtora aeronáutica do mundo, começaram a laborar em julho de 2012 e foram inauguradas a 21 de setembro do mesmo ano pelo Presidente da República, Cavaco Silva.

As unidades, uma de estruturas metálicas (partes de asas) e outra de materiais compósitos (componentes para caudas), representaram um investimento de quase 180 milhões de euros.

Nas duas unidades fabris, são construídas peças para o novo avião executivo Legacy 500 e para aeronave militar KC-390.