Contas feitas pelo ex-ministro das Finanças e da Segurança Social, António Bagão Félix, o Estado está a perder anualmente cerca de 3,9 mil milhões de euros com o desemprego.

«Se tivéssemos uma taxa de desemprego de 7%, isso significa que o aumento [face a um nível de 17%] é de 3,9 mil milhões de euros. Como é que podemos fazer consolidação a aumentar o desemprego», sublinhou o economista, numa conferência promovida pela Antena 1 e o Diário Económico.

Para Bagão Félix, o atual programa de ajustamento é resultado de «o Estado português ter sido sujeito a uma disciplina orçamental que, à partida, todos deviam considerar que era uma ficção».

À margem da conferência, o ex-ministro adiantou à Lusa que o plano B do Governo é um défice de 4,5% em 2014, e não de 4% como inscrito no Orçamento do Estado e acordado com a troika, recordando que as metas têm sido sucessivamente alargadas.