O diretor executivo do grupo Barclays, Antony Jenkins, prepara-se para encerrar perto de 400 sucursais entre as 1.600 que detém no Reino Unido e reduzir centenas de postos de trabalho, noticia o jornal Financial Times.

Jenkins, cujo banco foi alvo de um escândalo em 2012 devido à manipulação da taxa interbancária Libor, prevê apresentar os seus planos de reestruturação no mês de fevereiro, que deverão passar pela redução de centenas de postos de trabalho no banco de investimento, avança o jornal diário.

No âmbito do projeto de reestruturação, o banco britânico pretende substituir as 400 sucursais que vão ser encerradas pela abertura de pequenos balcões de representação nas cadeias de supermercados Asda.

Jenkins, que substituiu Bob Diamond no cargo de diretor executivo em 2012, na sequência do escândalo da taxa Libor, está centrado num plano de redução de custos no valor de 1.700 milhões de libras (cerca de 2.040 milhões de euros) para o próximo ano, segundo o Financial Times.

No final de 2012, o segundo maior banco britânico em termos de ativos contava com 24 mil funcionários na sua divisão de banca de investimento.

Na terça-feira, o britânico Lloyds Banking Group, liderado

por António Horta Osório, também anunciou em comunicado que vai eliminar 1.400 postos de trabalho nas divisões de risco, empresas, operações e consumo do banco.

Esta redução de efetivos faz parte do corte de 15 mil colaboradores que Horta Osório anunciou em 2011, que integra o plano do banqueiro português para reforçar o balanço do grupo financeiro britânico.

Desde que foi alvo de um resgate por parte das autoridades inglesas, em 2008, num montante a rondar os 24 mil milhões de euros, o Lloyds já perdeu mais de 30 mil colaboradores e fechou as suas operações no estrangeiro para se focar exclusivamente no Reino Unido.