O banco britânico Barclays vai anunciar na quinta-feira um plano estratégico que prevê um despedimento que poderá atingir 15 mil funcionários, para compensar a redução de receitas no ramo de investimento, informou hoje a cadeia pública BBC.

O segundo banco do Reino Unido em ativos prevê suprimir mais postos de trabalho do que os 12 mil que foram anunciados em fevereiro passado, 7 mil dos quais nesse país.

De acordo com as informações da BBC, 70% dos despedimentos teriam lugar no Reino Unido e atingiriam essencialmente a banca de investimento, mas podem ser afetadas outras áreas.

Mais tarde, o presidente executivo do Barclays, Antony Jenkins, pretende reduzir de 1.600 para 1.200 as sucursais do banco - devido ao aumento de operações pela Internet - e de 140 mil para 100 mil o número global de trabalhadores, segundo a mesma fonte.

Sobre o impacto destas medidas em Portugal, fonte oficial do Barclays em Portugal disse que não será feito qualquer comentário antes das declarações na quinta-feira de Antony Jenkins, presidente executivo do Barclays.

Já um dirigente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas disse à Lusa que, numa reunião na semana passada com a estrutura do Barclays em Portugal, foi sublinhado que naquele momento não tinham qualquer informação de redução da atividade e de pessoal em Portugal.

O britânico Barclays tem vindo a reestruturar a sua operação em Portugal, tendo saído cerca de 400 trabalhadores entre 2012 e 2013, além do fecho de dezenas de balcões.

O lucro líquido do banco britânico diminuiu 13% no primeiro trimestre do ano face ao mesmo período de 2013 devido à diminuição de receitas no setor de investimento, informou o Barclays em comunicado divulgado na terça-feira.

No comunicado enviado à Bolsa de Valores de Londres, o Barclays assinalou que o seu lucro no primeiro trimestre foi de 882 milhões de libras (1.058 milhões de euros) face aos 1.010 milhões de libras (1.212 milhões de euros) obtidos nos três primeiros meses de 2013.