O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, rejeitou esta quarta-feira que estejam em curso negociações entre Portugal e a Comissão no âmbito de um eventual programa cautelar.

O responsável europeu deu como exemplo a Irlanda, cujo regresso aos mercados está marcado para Dezembro, e cuja eventualidade de um programa cautelar só agora está a ser discutido. «É rotundamente falso que haja negociações para um programa cautelar com as autoridades portuguesas», frisou Barroso, acrescentando que a prioridade é cumprir o programa de ajustamento.

O presidente da Comissão Europeia falava aos jornalistas após reunião com o primeiro-ministro Passos Coelho e seis ministros, que esta quarta-feira se encontram em Bruxelas para discutir o período pós-troika.

Questionado sobre o alerta da CE relativamente a um eventual chumbo do Tribunal Constitucional (TC) da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2014, Durão Barroso sublinhou que a Comissão nunca criticou este organismo, apenas salientou a retificação das decisões. O responsável explicou que caso o TC chumbe as medidas inscritas no OE, as medidas que as substituirão terão de ser mais gravosas.