A cobrança coerciva de dívidas fiscais atingiu 1.300 milhões de euros no ano passado, o que representa o valor mais alto desde 2009.
 
Segundo o Diário Económico, as dívidas de IVA e IRS pagas pelas empresas e famílias foram as que mais contribuíram para o desempenho da cobrança executiva em 2015.
 
Por dia, o Estado cobrou de forma coerciva 3,5 milhões de euros. O valor conseguido com a cobrança coerciva é composto pelos pagamentos dos contribuintes que acabaram por regularizar as dívidas, por valores provenientes de depósitos e venda de bens penhorados e pela retenção de créditos fiscais.
 
Entre os ativos mais penhorados estão os créditos fiscais, saldos de contas bancárias, vencimentos e salários. Já a penhora de imóveis desceu 6% face a 2014.