É feriado, mas nem os mercados nem o Banco Central Europeu param. As atenções dos investidores viradas para a reunião mensal do BCE, que deverá anunciar o prolongamento do programa de compra de dívida por mais seis meses. Estava previsto que terminasse em março, mas a acontecer essa extensão, terminará apenas em setembro de 2013.

A decisão será conhecida mais perto das 13:00 e é importante também no atual contexto europeu, de incerteza com a crise em Itália, já para não falar do Brexit.

Lisboa está  positiva há quatro sessões, hoje a valorizar 0,65%. Destaque para a Pharol, a beneficiar do reforço de posição de um dos seus investidores, numa altura em que tem sido penalizada pela situação na operadora de telecomunicações brasileira Oi, o seu principal ativo. A Pharol, que é a antiga PT SGPS, dispara 4% para 0,198 euros.

O BCP também tem estado a recuperar - em dois dias valorizou mais de 11% - à boleia da recuperação da banca europeia.

Ora, precisamente a recapitalização do banco italiano Monte de Pasqui favoreceu os ganhos do setor ontem. O Tesouro italiano veio negar que esteja a preparar um pedido de ajuda ao Mecanismo Europeu de Estabilidade para resgatar os bancos em dificuldades. Itália promete atuar com urgência para resolver os problemas sozinha.

Daí que os investidores não se mostrem muito nervosos, nem com isto nem com a demissão do primeiro-ministro italiano. Precisament porque estão à espera que o BCE compre dívida do país se os mercados ficarem mais inquietos.

Portugal, de resto, tem beneficiado bastante desse programa de compra de dívida do BCE, para conseguir financiar-se a juros mais baixos no mercado.