A empresa têxtil Riopele, de Famalicão, realizou em julho uma atualização salarial extraordinária, passando o salário mínimo na empresa a ser de 505 euros, informou esta segunda-feira o administrador.

Segundo Bernardino Carneiro, aquela atualização beneficiou cerca de 400 trabalhadores, implicando um aumento de 200 mil euros na massa salarial anual.

Em 2014, e ainda no âmbito da política social do grupo, a Riopele promoveu também uma atualização do subsídio de alimentação, discriminando positivamente os rendimentos líquidos mais baixos.

A empresa concede ainda um apoio à vigilância dos filhos dos trabalhadores, até aos seis anos de idade, que frequentam creches, infantários ou outras instituições legalizadas para o efeito.

Os trabalhadores da Riopele beneficiam de cuidados de saúde, estando diariamente uma equipa médica na empesa.

Além disso, desde 2012, a título facultativo mas extensível a todas as pessoas que trabalham no grupo, é disponibilizada a vacina contra a gripe sazonal.

Esta política social foi destacada durante a visita à Riopele do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, no âmbito do roteiro que está a ser trilhado pelo autarca para destacar os bons exemplos empresariais e empreendedores do concelho.

Fundada em 1927, a Riopele conta atualmente com 1054 trabalhadores e faturou 71 milhões de euros em 2013

Entre 2013 e 2014, efetuou investimentos que ascendem a 10 milhões de euros.

Apesar da crise, admitiu 50 novos trabalhadores em 2013 e mais 75 no corrente ano.

Por mês, produz 700 mil metros de tecido, sendo 98% da sua produção para exportar para cerca de 30 países.