A contrafação dá prejuízos de 182 milhões de euros por ano em Portugal. Este é um «negócio» em expansão, mas não só nas roupas, nas bebidas, no tabaco ou no software. Há cada vez mais brinquedos, medicamentos ou peças de carros contrafeitos, escreve o «Jornal de Notícias».

De acordo com o mesmo jornal, esta atividade representa entre 5% e 7% das trocas comerciais a nível mundial e, segundo a Comissão Europeia, conduz a uma perda de 200 mil postos de trabalho por ano.

As autoridades, entre a ASAE., PSP, GNR e PJ, abriram 1990 inquéritos em 2011 e, no ano passado, aumentaram para 3113. Contas feitas, apenas num ano houve um aumento de 56% de casos de contrafação, embora o número de peças baixasse 86%. Só a ASAE apreendeu, no ano passado, mais de cinco milhões de euros de material contrafeito.