O Banco Central Europeu (BCE) deverá esta quinta-feira deixar inalterada a taxa de juro diretora no mínimo histórico de 0,5%, pelo quinto mês consecutivo, para ajudar a sustentar a retoma económica.

O economista do BPI Nuno Coelho disse à Lusa que a «expectativa é que taxa de juro diretora fique inalterada», acrescentando que, apesar de alguns indicadores de melhoria económica na zona euro, «qualquer alteração [nos juros] pode pôr em causa os esforços da recuperação».

Também o analista de mercados do BCP Ramiro Loureiro considera que a instituição liderada por Mario Draghi deverá «agir sem surpresa e manter a respetiva taxa de juro diretora nos 0,5%».

Apesar da expectativa de que as taxas se mantenham inalteradas, nas últimas semanas têm surgido discursos mistos por parte de membros do BCE, com responsáveis dos países periféricos do euro a defenderem que as taxas continuem baixas e Estados do centro da Europa a considerarem que taxas baixas por muito tempo podem causar instabilidade financeira.

Em maio, o BCE baixou a taxa de juro diretora para o mínimo de sempre de 0,50%.