O ministro do Ambiente e Energia reafirmou esta quinta-feira que os preços dos combustíveis desceram em média três cêntimos desde a implementação da lei dos combustíveis simples, mas reconheceu que «é possível ir mais longe».

«Assistimos nestes seis dias de implementação dos combustíveis simples a uma descida de três cêntimos em relação ao valor dos combustíveis convencionais», salientou Jorge Moreira da Silva, citado pela Lusa, afirmando que se trata de «uma descida importante», já que representa menos 1,80 euros para encher um depósito de 60 litros.


Ainda assim, admitiu que é possível ir mais longe: «Julgo que os resultados foram na direção certa, mas não ainda com a intensidade adequada», assinalou o ministro, à margem do 7.º Congresso da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

Moreira da Silva espera que a reforma se concretize à medida «que as gasolineiras e os retalhistas vão olhando para os preços que estão a ser praticados pelos seus concorrentes», o que poderá levar a uma redução maior.

«Não devemos limitar aos 30% de consumidores que vão aos hipermercados abastecer com combustível simples o benefício económico deste abastecimento que deve ser alargado a 100% dos consumidores», frisou o mesmo responsável.


Os combustíveis simples começaram a ser comercializados a 17 de abril. A Galp, BP, Repsol e Apetro estão a tentar travar este tipo de combustíveis.