A TVI24.pt, em parceria com João Morais Barbosa, da Escola de Finanças Pessoais, vai publicar semanalmente dois textos, às segundas e quintas-feiras, que o vão ajudar a gerir o seu dinheiro.

Longe de querer explorar dicas de poupança, queremos falar hoje de uma das grandes ideias para a promoção da poupança e do corte de despesas. Pode parecer uma ideia basilar e óbvia, mas sabemos que a sua aplicação está longe de ser um hábito das famílias portuguesas.

Sou adepto do otimismo. Não um otimismo irrealista mas um otimismo esperançoso. Acredito que já passamos por muitas crises e que esta, apesar de grave, será mais uma que passaremos. E acredito que a crise nos está a fazer repensar os nossos modelos de pensamento, levando as pessoas a refletir sobre aquilo que consideram essencial e aquilo que poderão largar.

De facto, para conseguirmos cortar despesas e para conseguirmos poupar, temos de saber o que é essencial na nossa vida e aquilo que é superficial ou passível de eliminação. Para tal, temos de saber as nossas prioridades e as prioridades e objetivos da nossa família, procurando que todos estejamos alinhados de modo a conseguirmos dirigir esforços nesse sentido.

Pode parecer demasiado simples, mas sugiro que se questione quais são as suas prioridades. No campo das despesas, depois de ter construído o seu orçamento, o que permitirá ver onde gasta o seu dinheiro, veja quais são as despesas verdadeiramente essenciais e aquelas que poderia prescindir facilmente. Deixo-lhe uma ajuda:

- A generalidade das pessoas com quem falo nas minhas formações, considera como essencial para que tenham um mínimo de qualidade de vida, as despesas com a renda, supermercado, água, luz, gás, creche e transporte.

- Seguidamente têm os vários contratos que têm de cumprir, como sendo as prestações financeiras, os seguros e as telecomunicações.

- Finalmente, têm todas as outras despesas, despesas perfeitamente legítimas mas que¿ podemos cortar em caso de necessidade.

Não somos adeptos da austeridade a todo o custo, nem muito menos de uma vida sem pequenos luxos ou prazeres. Contudo, sabemos que momentos de crise exigem soluções de crise... e sabemos que a crise é passageira, pelo que os nossos esforços de hoje irão trazer resultados no futuro.

Questione-se e veja se pode reduzir alguma das despesas. Mais uma vez, para o fazer, terá de identificar o destino que dá ao seu dinheiro... possivelmente esse será o seu maior desafio.

João Morais Barbosa - www.escoladefinancaspessoais.com

Quinta-feira não perca três pequenas ideias que o podem ajudar a disciplinar-se para poupar