O indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica recuou em dezembro, pelo quinto mês consecutivo, baixando de 122,1 em novembro para 120,7, de acordo com os dados hoje divulgados.

Ainda assim, na mesma nota divulgada pela APFIPP e pela Universidade Católica diz-se que apesar deste decréscimo para valores de há um ano, a tendência de crescimento da poupança das famílias «continua a manter sinais de estabilização em níveis historicamente elevados».

Segundo a mesma fonte, o indicador «sugere que, em termos agregados, as famílias têm aumentado a sua taxa de poupança em 0,10-0,15 pontos percentuais do PIB em cada trimestre desde dezembro de 2009».

No entanto, o indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica está em queda há cinco meses consecutivos, desde agosto do ano passado, e está agora no mais baixo nível desde fevereiro do ano passado.

O indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica procura antecipar a evolução da taxa de poupança das famílias portuguesas em percentagem do PIB, corrigida de efeitos de sazonalidade, e resulta da análise ao comportamento de um conjunto alargado de fontes estatísticas.

O indicador de poupança assume o valor 100 no último trimestre de 2000 quando a taxa de poupança foi de cerca de 8% do PIB.

Assim, cada 12,5 pontos do indicador representam cerca de 1% do PIB. Quando o indicador atinge o valor 125 a poupança das famílias é cerca de 10% do Produto.