As prestações do crédito à habitação vão aumentar em agosto, mas apenas para as famílias com contratos indexados à Euribor a três meses.

As restantes, que têm os seus contratos indexados à taxa a seis ou 12 meses, vão sentir um alívio da prestação.

De acordo com a média mensal das Euribor em julho, que vão servir de base às revisões de contratos em agosto, a maior poupança vai ser sentida por quem tem contratos indexados à taxa a 12 meses. Aqui, a prestação mensal a pagar ao banco pode cair até 7%.

Já nos contratos com Euribor a seis meses, a mais usada em Portugal, poupança é bem menor: apenas 0,1%.

Para os contratos com taxa a três meses, usada sobretudo nos contratos mais recentes, a mensalidade pode aumentar 0,2%.