Os preços dos combustíveis, que voltaram a baixar esta segunda-feira, oscilam de região para região. De acordo com dados da Direção-geral de Energia e Geologia (DGEG), citados pelo «Jornal de Negócios», os custos são mais pesados para quem vive no interior do Continente.

A diferença não é muito grande, mas os dados mostram que os combustíveis são mais caros no interior, em média cerca de 3 cêntimos por litro que no litoral. Num depósito de 50 litros, é 1,50 euros de diferença.

Portalegre é o distrito onde os valores são mais elevados, seguido de Beja e Bragança, onde a proximidade com Espanha não faz baixar os preços. As petrolíferas explicam que o custo de transporte encerece o preço de venda ao público. Além disso, menos postos é sinónimo também de menos concorrência.

Braga é o distrito com preços mais em conta. Entre o mais barato e o mais caro, a diferença chega a ser de sete cêntimos por litro. A diferença num depósito de 50 litros sobe para 3,50 euros.

O Porto ocupa o segundo lugar na lista dos distritos mais baratos e Lisboa o quinto. Mas é na zona da Capital que se encontra a bomba com os preços mais baixos do país: no Jumbo de Torres Vedras.