O ministro Pedro Mota Soares afirmou esta sexta-feira que o aumento do salário mínimo nacional depende dos parceiros sociais e que é com eles, e não com os partidos políticos, que pretende fazer o debate sobre essa matéria.

Na sua declaração final, no fim da interpelação feita pelo Partido Socialista sobre pobreza e desigualdades sociais, o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social disse que o aumento do valor do salário mínimo nacional depende dos parceiros sociais e do debate entre as partes.

«Eu respeito muito os partidos políticos, respeito muito esta câmara, mas sei que este debate deve ser feito em sede de concertação social e não num diálogo entre o Governo e os partidos políticos», adiantou.

Mota Soares disse que o Governo quer ouvir o que os parceiros sociais têm a dizer sobre a matéria e sublinhou que é com eles que deve ser feito o debate.

«É com eles e não com os partidos políticos», reafirmou.

Pedro Mota Soares aproveitou para lembrar que foi o Partido Socialista que incluiu no memorando de entendimento uma cláusula que obriga o Governo a pedir consentimento à 'troika' no momento de aumentar o valor do salário mínimo.

Relativamente a medidas de impulsionamento do emprego, o ministro destacou o facto de haver novos fundos comunitários para o programa Garantia Jovem, destinado à empregabilidade de jovens abaixo dos 30 anos.

Segundo o ministro, este programa já beneficiou 76 mil jovens em Portugal.

«Temos um objetivo: atingir 378 mil jovens ao longo dos primeiros anos do programa», concluiu.