"Há que pensar que isso [referendo] custa dinheiro e iria causar uma grande incerteza política, e não temos tempo [para isso] nem os gregos", vincou Dijsselbloem em entrevista à televisão holandesa RTL, citada pela agência EFE.