O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, advogou hoje que um eventual referendo na Grécia sobre medidas a implementar entre Atenas e os credores custa "dinheiro" ao país e levaria a uma maior perda de tempo nas negociações.

"Há que pensar que isso [referendo] custa dinheiro e iria causar uma grande incerteza política, e não temos tempo [para isso] nem os gregos", vincou Dijsselbloem em entrevista à televisão holandesa RTL, citada pela agência EFE.


Ninguém na zona euro quer que Atenas abandone a moeda única, acrescentou o responsável, mas os últimos meses de negociações têm sido pautados por "poucos avanços", lamentou todavia.